Entertainment

Festival IndieLisboa abre hoje com cinema português restaurado



O competition de cinema IndieLisboa começa hoje, no cinema São Jorge, com os filmes portugueses “Albufeira” (1968), de António Macedo, e “Zéfiro” (1994), de José Álvaro de Morais, recentemente restaurados pelo projeto FILMar, da Cinemateca Portuguesa.

Esta será a 19.ª edição do competition IndieLisboa, abrindo com um filme de António de Macedo que promove o turismo algarvio e uma longa-metragem de José Álvaro de Morais, entre o documentário e a ficção, entre Lisboa e o Algarve.

As duas obras foram restauradas no âmbito do projeto FILMar, da Cinemateca Portuguesa, com financiamento europeu, destinado a preservar o património fílmico português relacionado com a temática do mar.

Este ano, o IndieLisboa contará com cerca de 250 filmes e a mais extensa competição nacional de sempre de longas-metragens, com várias obras já estreadas em festivais estrangeiros.

Dessa secção competitiva fazem parte “Super Natural”, de Jorge Jácome, “Águas do Pastaza”, de Inês T. Alves, “Rua dos Anjos”, de Renata Ferraz e Maria Roxo, “Atrás Dessas Paredes”, de Manuel Mozos, e “Viagem ao sol”, de Susana de Sousa Dias e Ansgar Schaefer.

A eles junta-se “Via Norte”, de Paulo Carneiro, “Mato Seco em Chamas”, de Adirley Queirós e Joana Pimenta, “Frágil”, de Pedro Henrique, e “O Trio em Mi Bemol”, de Rita Azevedo Gomes.

Na competição de curtas-metragens, a direção escolheu obras de “autores estabelecidos e novos cineastas”, contando, por exemplo, com “Domy + Ailucha – Cenas Kets!”, de Ico Costa, premiado no Cinema du Réel, “By Flávio”, de Pedro Cabeleira, estreado em Berlim, e “Tornar-se um Homem na Idade Média”, de Pedro Neves Marques, galardoado no competition de cinema de Roterdão.

Fora de competição, destaque para uma dupla estreia do realizador João Botelho, que apresentará “O jovem Cunhal”, sobre Álvaro Cunhal, e “Uma Coisa em Forma de Assim”, filme dedicado ao escritor Alexandre O’Neill.

O IndieLisboa irá ainda estrear “Sita – A Vida e o Tempo”, de Margarida Cardoso, sobre a anticolonialista e militante comunista Sita Valles, e “Um nome para o que sou”, de Marta Pessoa, sobre Maria Lamas e o livro “As mulheres do meu país”.

A retrospetiva deste ano será dedicada à realizadora norte-americana Doris Wishman, “pioneira da ‘sexploitation’ feminina no cinema”, autora de filmes “audaciosamente eróticos e de caráter protofeminista”, que morreu em 2002.

Na secção “Silvestre” estarão, por exemplo, “Coma”, de Bertrand Bonello, e “Rimini”, de Ulrich Seidl, enquanto o programa IndieMusic abrirá com o documentário “Cesária Évora”, de Ana Sofia Fonseca, e contará também com filmes sobre Carlos Zíngaro, os Telectu, Patti Smith e Courtney Barnett, entre outros.

O encerramento do competition, a 8 de maio, será com a antestreia nacional de “A viagem de Pedro”, um drama histórico luso-brasileiro de Laís Bodanzky sobre o ex-imperador do Brasil, de regresso a Portugal.

Além do cinema São Jorge, o IndieLisboa decorrerá na Culturgest, Cinemateca Portuguesa e no Cinema Ideal.

Toda a programação está em www.indielisboa.com.



Source hyperlink

Leave a Reply

Your email address will not be published.

close