Entertainment

Apesar da guerra, artista Nellie Drobot continua a pintar: “Somos da Ucrânia. Não temos mais nada a temer” – Showbiz


Quando a guerra começou na Ucrânia, a mente de todos os cidadãos mudaram: agora, as suas vidas nunca mais serão as mesmas. Nestes tempos difíceis para o país, todos tentam fazer algo pelo Estado: enquanto as forças armadas estão a defender fisicamente, os artistas estão a criar em apoio à Ucrânia.

Nellie Drobot é uma artista ucraniana originária de Odessa, cujas exposições tiveram lugar em vários países em todo o mundo. Recentemente, a artista criou uma série de pinturas sobre a guerra na Ucrânia, chamada “Palyanitsa”.

Em entrevista, Nellie Drobot revela como é criar arte durante a guerra.

Tinha o seu próprio caminho criativo, como foi a mudança?

Não foi muito difícil porque tinha um plano. Hoje estou nesta onda e não vou contra ela, em vez disso sinto o fluxo, as pessoas e faço o que vem do coração. Passei do mundo animal para o erotismo, e dele para o tema do patriotismo. Mas vou definitivamente voltar a tópicos sensuais em breve.

24 de fevereiro foi o dia que mudou a vida de todos os ucranianos. Como foi esse dia para si?

Para mim, foi como um ponto closing de uma vida passada e o começo de uma nova vida. Às cinco da manhã, a defesa aérea funcionou e tudo mudou. Parece que uma caixa negra secreta se abriu. Os rostos abriram, as pessoas também. Todos mostraram ser 100% o que são. Este é o dia mais importante da história.

Apesar da guerra, artista Nellie Drobot continua a pintar: ” data-title=”Apesar da guerra, artista Nellie Drobot continua a pintar: – Apesar da guerra, artista Nellie Drobot continua a pintar: “Somos da Ucrânia. Não temos mais nada a temer” – SAPO Mag”> Apesar da guerra, artista Nellie Drobot continua a pintar:

A guerra é, talvez, a pior coisa que pode acontecer na vida das pessoas. Como é lidar com o medo, com o stress?

Medo, stress, pânico, histeria são coisas normais nesta situação. Mas há um “mas”. Esses sentimentos matam-nos, destroem-nos por dentro. Por isso, temos de tratar do assunto com as nossas próprias mãos. Adoro exercícios de respiração e sentar-me para pintar diferentes versões do resultado da situação, basta pensar com calma. Do mais positivo ao mais terrível. Quando passamos por isso nós mesmos, percebemos que o pânico vai diminuir. Passa a ser uma pequena questão. Se és é amigo de ti próprio vais encontrar um equilíbrio de emoções e sentimentos com a mente e com a avaliação da realidade. Caso contrário, terás de te conhecer, porque podes enlouquecer de medo.

Apesar de toda a dor e dor que o povo ucraniano está a sentir, criou uma série de pinturas patrióticas que o inspiraram…

O meu apoio é mais importante do que nunca, compreendo perfeitamente. Quero ajudar as pessoas, distraí-las, fazê-las felizes, fazê-las rir, apoiá-las. Esse é o meu objetivo.

Ainda continua a pintar?

Sim, o máximo possível todos os dias. Uma vez que a ansiedade chega muitas vezes à noite essa é a minha altura preferida para o fazer.

A arte é também uma arma. O que gostaria de desejar aos seus colegas artistas sobre onde ir buscar inspiração neste momento?

Depende da pessoa e do seu mundo inside, nunca precisei de um milagre para desenhar. Eu ouço-me e desenho. Há muito em mim. Vi muitas coisas, li muito, considerei, absorvi. Quanto mais nos enriquecermos, mais recebemos e isso não tem a ver com inspiração. Quero desejar, provavelmente, coragem. Sejam ousados e expressem-se, não tenham medo da condenação. Nós somos da Ucrânia. Não temos mais nada a temer!

A coleção patriótica conta com quantos quadros?

20 em arte digital. Em breve vou começar a pintar a óleo.

Está a planear exposições na Europa num futuro próximo?

Sim, claro que sim. As pessoas devem ver a Ucrânia de ângulos diferentes, especialmente em tempos tão difíceis.

Sabemos que está a planear uma exposição em Portugal. Porque é que escolheu começar aqui?

Sim, é verdade. Vou abrir a primeira exposição na Europa em Lisboa. Sou muito inspirada por este país, pelas pessoas amáveis, pela sua atitude para com o mundo. Estou também a escolher e a negociar com galerias para uma exposição patriótica sobre eventos na Ucrânia.

Agora todos os cidadãos tentam ajudar a Ucrânia…

Claro. Adoro o meu país, sou uma cidadã da Ucrânia. Estou orgulhosa do meu passaporte azul. Não consigo ficar longe. Com a ajuda das minhas exposições, quero chamar a atenção de todo o mundo para ajudar a Ucrânia e realizar angariações de fundos para apoiar o nosso país. Glória para a Ucrânia!



Source hyperlink

Leave a Reply

Your email address will not be published.